Arcoverde: Célia diz que vai abrir a Câmara para debater a Reforma da Previdência no município

 Com a perspectiva de que os municípios não sejam contemplados no Projeto de Reforma da Previdência em tramitação no Congresso Nacional, a presidente da Câmara de Vereadores de Arcoverde, Célia Almeida Galindo, do PSB, promete neste segundo semestre abrir as portas da Câmara Municipal para debater a questão previdenciária à nível municipal. A proposta foi apresentada na sessão da última sexta-feira (02), quando da abertura dos trabalhos legislativos após o recesso de 15 dias.
Segundo a vereadora, o Fundo de Previdência de Arcoverde vive no negativo, obrigando a prefeitura a aplicar recursos de forma a garantir as aposentadorias e pensões pagas pelo Funpremarc.
“Vamos abrir esta casa para ouvir os servidores, o sindicato do funcionalismo, ouvir o governo e chamar especialistas na área previdenciária que possam contribuir com a reforma da previdência municipal, caso os municípios, assim como os estados, não sejam contemplados na reforma que os deputados e senadores estão votando em Brasília”, afirmou a vereadora durante sua fala no grande expediente da Casa James Pacheco.
Lembrou que já havia falado ali (na Câmara), várias vezes o exemplo próprio, quando a casa legislativa só recolhe ago em torno de R$ 10 mil e têm que pagar R$ 50 mil mensais em aposentadorias e pensões. Citou ainda que, mensalmente, a prefeitura tem que injetar cerca de R$ 600 mil para poder pagar as aposentadorias.
“Ou conversamos com a sociedade, ou ouvimos aqui trabalhadores, governo, entidades sindicais, especialistas e traçamos um projeto próprio que dê sustentabilidade e segurança financeira ao Fundo de Previdência ou vai chegar uma hora que nenhum aposentado saberá quando vai receber e se vai receber. Nossa preocupação maior é essa: garantir as aposentadorias de nossos servidores de ontem, de hoje e dos que virão”, finalizou a vereadora Célia Almeida Galindo.

Anterior Proxima Página inicial