Temer nem esquentou o canto

 Por Tião Lucena

Azar do Lula que não encontrou pela frente um desembargador chamado  Antonio Ivan Athié, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, e por isso continua mofando em Curitiba. Temer nem esquentou o banco. Volta para casa com a mesma pose com que entrou na cadeia, seco por um abraço da sua amada esposa, ainda chorosa e saudosa por causa da sentida ausência.
Acharam ruim? Pois chorem! Manda quem pode e obedece quem tem juízo. O ex-presidente mostrou com quantos paus se faz uma cangalha e tirou de tempo o juiz Marcelo Breta, hoje mais bretado do que nunca na sua sanha prendedora.
Não sei onde se esconderam os advogados de Roberto Santiago que ainda não correram atrás do desembargador destemido. Com ele é pêi, buf, o cabra só fica preso se for pra ficar mesmo, mas se houver uma brecha na lei, não tem conversa nem moído, vai pra casa feliz e fagueiro, voando feito um passarinho com as asas abertas ao vento do meu Brasil varonil.
E o desembargador está certo. O cabra só deve ficar preso se for condenado e a condenação transitar em julgado.
Lula está preso porque o judiciário virou legislador e decidiu trancafiar quem foi condenado em tribunal colegiado. Desrespeitou-se a Constituição que todos apelidaram de Lei Maior e a macaca desceu no lombo dos que mijaram fora do caco.
Temer abre o caminho para os que reivindicam isonomia de tratamento.

Anterior Proxima Página inicial