Proposta de vigilância armada nas escolas de Salgueiro é rejeitada pela Câmara de Vereadores

 Alvinho Patriota

Sob a justificativa de proteger os estudantes salgueirenses de possíveis ataques, considerando o que aconteceu numa escola estadual de Suzano-SP, o vereador Bruno Marreca apresentou um requerimento na sessão ordinária dessa sexta-feira, 22, propondo vigilância armada nas escolas municipais e estaduais de Salgueiro. O intento foi rejeitado pela maioria dos vereadores da Casa Epitácio Alencar, que consideraram inadequada a presença de pessoas armadas nas escolas.
Paizinha Patriota, Erivaldo Pereira, Ednaldo Barros, Flávio Barros, Pedro de Compadre e Eliane Alves manifestaram abertamente que não votariam favorável ao requerimento de Bruno. “Eu sou a favor da cultura de paz nas escolas. Acho que a única arma deve ser a da educação. Um povo civilizado, um povo educado, um povo construtor da paz, não precisa de armas. Sou contra radicalmente à questão das armas, principalmente em ambiente escolar”, destacou Eliane.
Bruno rechaçou que a presença de vigilantes armados nas escolas acarretaria riscos aos alunos, professores e direção. “Estou apenas propondo que tenha uma segurança armada nas escolas. Hoje tem segurança armada nos bancos e nem por isso aumentou a violência. Então, eu acho que o maior bem da gente são os nossos filhos. Eu sei que um vigilante armado nas escolas, com detector de metais, inibe sim a violência”, rebateu, apoiado apenas por Antônio Pires, José Carlos e Augusto Matias.

Anterior Proxima Página inicial