.

.

.

.

.

.

Bolsonaro quer reativar ritual cívico nas escolas

 Josias de Souza
Em pleno Dia de Finados, Jair Bolsonaro foi às redes sociais para enaltecer um ritual cívico que espera ressuscitar nas escolas públicas durante o seu mandato. Deseja que os alunos entoem o hino nacional, enquanto assistem ao hasteamento da bandeira do Brasil.
Bolsonaro escreveu: “Por muito tempo nossas instituições de ensino foram tomadas por ideologias nocivas e inversão de valores, pessoas que odeiam nossas cores e hino. Hastear uma bandeira do Brasil não tem relação com política, mas com o orgulho de ser brasileiro e a esperança de tempos melhores.”
De fato, hino e bandeira não fazem mal a ninguém. O problema é que apenas o coro e o hasteamento no pátio da escola não resolverão a precariedade do que se passa dentro da sala de aula. Ali, falta desde o básico (cadeiras e carteiras) até o indispensável (professores bem formados e remunerados adequadamente).
Durante a campanha, Bolsonaro revelou pouquíssimo sobre o que planeja fazer na área educacional. Mencionou o vago desejo de instalar um colégio militar em cada capital. E falou em “expurgar a ideologia de Paulo Freire” das escolas e cursos de formação de professores.
Considerando-se que pouca gente sabe quem é Paulo Freire, Bolsonaro prestaria enorme serviço ao ensino se, em vez do expurgo, defendesse o direito das crianças de tomar conhecimento da história desse patriota —depois de cantar o hino e hastear a bandeira, naturalmente.

Anterior Proxima Página inicial