.

.

.

.

.

.

'Ele é anti ser humano. É tudo que precisa ser varrido da face da terra', diz Haddad sobre Bolsonaro

 Sem conseguir formar a grande frente em defesa da democracia com políticos de partidos adversários do PT no segundo turno, a sigla transformou o evento no Tuca, palco de atos políticos marcantes contra a ditadura militar nos anos 70 e 80, em um encontro com os diversos setores da sociedade civil que se uniram contra Jair Bolsonaro (PSL).
A palavra resistência foi usada logo na abertura do ato por Guilherme Boulos, candidato derrotado do PSOL. "Há uma única forma de acabar com o MTST, é gerar seis milhões de casas para as famílias sem teto deste país", disse.
Boulos se referia a falas de Bolsonaro sobre proibir o ativismo, acabar com ONGs e punir a oposição a um eventual governo do PSL.
Um dos discursos mais aplaudidos foi o do padre Julio Lancelotti, que ao lado de representantes de outras seis religiões (evangélica, muçulmana, judaica, budista, espírita e candomblé) chamou Bolsonaro de fascista. "Contra o fascismo, resistência, revolução, insubordinação", disse padre Julio.
O advogado Fabio Toffic, do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD), tentou dar perspectiva histórica à disputa eleitoral dizendo que a candidatura de Haddad e Manuela D'Avila (PCdoB) representa a defesa da Constituição de 1988 (embora o PT tenha proposto a realização de uma Constituinte e depois recuado). Em resposta a Toffic, Haddad pronunciou a segunda palavra mais usada no evento, virada. "A gente está muito honrado (com a fala do advogado) mas a gente quer ganhar a eleição, não quer ser só símbolo de resistência", disse o candidato.
Haddad explorou em seu discurso o vídeo no qual o deputado eleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fala em fechar o Supremo Tribunal Federal (STF), e a fala de Bolsonaro de domingo, 21, na qual o candidato do PSL fala em punir adversários e ataca a imprensa, mas principalmente a defesa que o capitão da reserva faz da ditadura militar e personagens como o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, considerado um dos maiores torturadores do regime.
O candidato do PT acabou usando palavras parecidas com as que Bolsonaro se referiu à oposição. "Ele é o anti ser humano. É tudo que precisa ser varrido da face da terra", afirmou.
O teatro da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) ficou lotado com pessoas em pé e sentadas nos corredores. Os discursos políticos eram intercalados por performances artísticas.
No palco, vários artistas como Leandra Leal, Maria Ribeiro, Maria Casadeval e Paulo Miklos. Uma atriz leu o poema "Isso não é um poema", de Arnaldo Antunes. "Como explicar a Lei Rouanett para quem não assimilou a Lei Áurea", diz a obra. Do lado de fora do TUCA, manifestantes fecharam o trânsito na rua Monte Alegre para assistir ao ato pró-Haddad, que era transmitido por um telão fixado na parede externa do teatro. Idosos, jovens e crianças reproduziam e comemoravam o discurso proferido pelos presentes no "Ato da Virada".
Ao som de "O povo unido jamais será vencido", a geógrafa Iole Ilíada, 54 anos, defendia a realização deste tipo de manifestação em um processo eleitoral dividido e polêmico como este. "É uma eleição extremamente polarizada, com dois lados muito claros. Mas não é direita contra esquerda, é democracia contra fascismo", pontua a manifestante. A violência política sofrida por apoiadores de Haddad enfraquece o movimento, segundo a entrevistada. "Um ato como esse recarrega nossas energias, faz a gente perder o medo, coloca essas pessoas em contato e faz elas pensarem que é possível virar."
Apoiadores do presidenciável do PT vibravam ao reproduzirem gritos que saudavam a democracia. A supervisora escolar do município de São Paulo, Ana Helena Fernandes, 40 anos, justificou sua presença no ato a partir da luta pela democracia. "Nós estamos aqui porque acreditamos sempre nela. Lutamos por um país democrático, pela segurança do direito da criança, do adolescente, do ser humano, do brasileiro."
Iole e Ana Helena citaram ainda a importância das fake news no desenrolar das eleições 2018. "Infelizmente as fake news já influenciaram o processo eleitoral, por isso Bolsonaro ficou em primeiro lugar no 1º turno", comenta a geógrafa. Como educadora, Ana Helena acredita que somente a educação pode transformar a sociedade. "Só ela pode construir seres humanos capazes de modificar, através do voto, a nossa comunidade."


Anterior Proxima Página inicial