.

.

.

.

.

.

Fernando Haddad diz que defenderá liberdade de 45 milhões de eleitores: “Não tenham medo”

 O candidato derrotado à Presidência da República, Fernando Haddad (PT), afirmou na noite deste domingo (28) que, agora, terá a ‘tarefa’ de fazer oposição e de defender o pensamento e as liberdades dos mais de 45 milhões de brasileiros que não votaram no presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).
Haddad foi derrotado por Bolsonaro no segundo turno. De acordo com a apuração do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com 99% das urnas apuradas, o petista havia recebido 46,85 milhões de votos contra 57,7 milhões do adversário até a última atualização desta reportagem.
“Uma parte expressiva do povo brasileiro precisa ser respeitada neste momento. Diverge da maioria, tem um outro projeto de Brasil na cabeça e merece o respeito no dia de hoje. […] Portanto, nós temos uma tarefa enorme no país que é, em nome da democracia, defender o pensamento, defender as liberdades desses 45 milhões de brasileiros que nos acompanharam até aqui“, afirmou o petista durante discurso em um hotel em São Paulo.
Durante o discurso, Haddad afirmou que coloca a “vida à disposição desse país” e se dirigiu aos seus eleitores, pedindo a todos que “não tenham medo“. Ele parafraseou o Hino Nacional e afirmou: “Verás que um professor não foge à luta, nem teme quem adora a liberdade à própria morte”.
“Olhando nas ruas desse país em todas as regiões, eu senti uma angústia e um medo na expressão de muitas pessoas que às vezes chegavam a soluçar de tanto chorar. Não tenham medo. Nós estaremos aqui, nós estamos juntos, nós estaremos de mãos dadas com vocês, nós abraçaremos a causa de vocês. Contem conosco. Coragem. A vida é feita de coragem. Viva o Brasil“, disse Haddad.
Compromisso
Para o petista, há “muita coisa em jogo” no Brasil e, por isso, é preciso “exercer a nossa cidadania” para garantir o pleno funcionamento das nossas instituições. Ele disse ainda que tem o compromisso de manter a democracia e pediu aos eleitores que não aceitem “provocações e ameaças”.
O candidato derrotado disse ainda que, agora, o PT e a militância precisarão se reconectar com suas bases e com os pobres desse país para “retecer um programa de nação que há de sensibilizar mentes e corações desse país“.
“Nós não vamos deixar esse país para trás. Nós vamos colocá-lo acima de tudo, e nós vamos defender o nosso ponto de vista, respeitando a democracia, respeitando as instituições, mas sem deixar de colocar o nosso ponto de vista sobre tudo que está em jogo a partir de agora“, afirmou Haddad. (Fonte: G1)

Anterior Proxima Página inicial