.

.

.

.

.

.

.

.

Propina dos portos pagou a compra de deputados?

Uma nota publicada nesta terça-feira 3 pela jornalista Sonia Racy, no Estado de S.Paulo, informa que, no período de preparação do golpe, o empresário Gonçalo Torrealba, dono do grupo Libra, recebia semanalmente o ex-deputado Eduardo Cunha, principal articulador do golpe que derrubou Dilma Rousseff. Coincidentemente, sempre com carros-forte por perto.
"As aparições do deputado no prédio – na rua Dias Ferreira, no Leblon, Rio – coincidiam com a presença de carro-forte estacionado na mesma rua. Vale registrar que no mesmo edifício estavam instalados escritórios (mas não agências) de dois bancos diferentes", relata a jornalista. "Antes de desembarcar ontem no Rio – onde foi ouvido na Superintendência da PF – Gonçalo estava no seu haras em Kentucky – no qual investiu US$ 200 milhões", lembra ainda.
Quando estava na Presidência, Dilma Rousseff tentou evitar a propina de Michel Temer no Porto de Santos, não permitindo com que empresas do setor em dívida com a União, como o grupo Libra, que devia mais de R$ 1 bilhão, renovassem suas concessões. Ela chegou a demitir o então ministro Edinho Araújo, indicado por Temer.
No entanto, após o afastamento de Dilma, Temer reconduziu Edinho ao cargo e ele, em seus últimos dias no posto, renovou a concessão do grupo Libra. Na última quinta-feira, a principal executiva do grupo, Celina Torrealba foi presa, Edinho, que é prefeito de São José do Rio Preto (SP), foi chamado a depor e Temer viu seus principais operadores de propinas serem presos.  (BR 247)

Comentários

Obrigado!
Sua mensagem será avaliada.

Anterior Proxima Página inicial