.

.

.

.

.

.

.

.

Polícia Federal caça ex-assessor que negociou repasse de R$ 800 mil da Odebrecht para Cássio Cunha Lima

Reportagem publicada pelo jornalista Marcelo Rocha, da Época, na tarde desta terça-feira (10), dá conta de que o delator Alexandre Barradas, vinculado ao grupo Odebrecht, não teria descartado que o ex-funcionário do gabinete do senador Cássio Cunha Lima (PSDB), Luiz Stern, teria sido o responsável por negociar o repasse de R$ 800 mil ao tucano.

Segundo Barradas, Cássio Cunha Lima teria o apresentado a um tal de “Luiz”, e este cidadão seria o responsável pela negociação da propina para a malfadada campanha ao Governo do Estado em 2014, quando foi derrotado por Ricardo Coutinho.

Na época que a delação foi divulgada, veio a tona que um dos pontos colocados na mesa pela Odebrecht era o de que, caso Cássio ganhasse, a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) deveria ser privatizada em favor do grupo empresarial.
No encalço de Cássio, PF chega a ex-assessor que teria negociado propina de R$ 800 mil com a OdebrechtA Polícia Federal apresentou ao delator Alexandre Barradas, do grupo Odebrecht, uma foto de Luiz Stern, ex-funcionário do gabinete do senador Cássio Cunha Lima (PSDB) e exonerado em março do ano passado. Barradas viu a imagem e não descartou Stern como o “Luiz” que afirma ter sido apresentado a ele pelo parlamentar para negociar o repasse de R$ 800 mil da empreiteira durante a campanha derrotada ao governo da Paraíba.

Segundo o colaborador, a apresentação ocorreu no gabinete do Senado entre abril e maio de 2014. Em depoimento à PF, Cunha Lima negou que os tenha apresentado. O ministro Gilmar Mendes, relator do inquérito contra o tucano no Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu à PF mais 60 dias de prazo para localizar e interrogar Stern.

Comentários

Obrigado!
Sua mensagem será avaliada.

Anterior Proxima Página inicial