Jornalista diz que vereadores da oposição de Carnaíba é Quarteto Fantástico e avalia desastre de Anchieta Patriota

O que seria de um governo sem a presença firme e justa da oposição? Se o governante estiver sozinho e tiver no legislativo um “puxadinho” do poder executivo, é possível querer mandar e desmandar, propor coisas esdrúxulas e que nem sempre estão de acordo com ética e a cidadania. Em municípios pequenos onde a mão do prefeito é ainda mais forte e forte também é o seu poder esmagador sobre a oposição, quero aqui tirar o meu chapéu para o quarteto, que diante das investidas do poder executivo, podemos chamá-lo de quarteto fantástico: Neudo da Itã, Anchieta Crente, Preguinho e Gleybson Martins, vereadores da cidade de Carnaíba no Pajeú pernambucano.

Disseram não ao desejo sórdido do prefeito Anchieta Patriota (PSB) de eleger o filho presidente da Câmara de vereadores, imaginem um filho fiscalizando um pai, que isenção poderia ter. O resultado da negativa é que se vereadores são perseguidos. Por esta coragem, por não deixar que o governo tenha unanimidade é que parabenizo. É preciso separar o que é de interesse do povo daquilo que interessa a um grupo, e nesse caso a ninguém mais interessaria ter o filho do prefeito como presidente do poder que fiscaliza e pune, quando necessário, o executivo.

Vivemos em tempos de comunicação, de liberdade plena, as vezes até excessiva, mas ainda encontramos gestores que não andam, mas correm em direção oposta a esta realidade, o que classifico como lamentável. Governos perseguidores, que se acham intocáveis e que são capazes de coisas inimagináveis para perpetuarem-se no poder. Mais um vez ressalto que não deve ser fácil fazer oposição a governos assim, porém isso realça mais ainda o trabalho que a oposição faz.

Li em um perfil aqui no Facebook de uma pessoa que outrora foi oposição no município, mas que agora marcha no bloco governista, ela escreveu que a oposição em Carnaíba está isolada, que não tem poder de articulação e que por isso supostamente encolhe. Ora, articulações ou poderíamos chamar de cooptações, quem tem poder de faze-las é mesmo o prefeito, afinal com a caneta na mão ele tem canto mais hipnotizante que da sereia, contudo garanto que nenhuma migração vem porque acha o governo fantástico, vem mesmo porque alguma boquinha lhe foi arrumada, algum benefício particular lhe arranjaram.

Falar de oposição em Carnaíba não me faz lembrar em data recente outra tão numerosa (4 vereadores) e tão competente e equilibrada, a prova é que muitos requerimentos feitos por estes são atendidos pelo prefeito, demonstrando que têm sido oposição, mas que não abriram mão da responsabilidade, e nesse caso, parabenizo o prefeito por atende-los, se é que dava para não atende-los.
Governos populistas sentem-se a vontade para mandar e desmandar, ou pelo menos tentar assim agir. Lá mesmo em Carnaíba, Anchieta Patriota “inventou” o ex-prefeito José Mário Cassiano, o apoiou e o elegeu, só que depois deixou a gestão órfã, de maneira velada trabalhou para que seu pupilo não desse certo, e conseguiu. Zé Mário saiu com uma gestão mal avaliada pelo opinião pública, cenário propicio para a volta de Anchieta. Não vejo ninguém falando destes detalhes, o que clássico como lamentável.

Guardando as proporções, José Francisco Filho (Didi da Felicidade) fez no passado gestões bem avaliadas como foram os dois primeiros mandatos de Anchieta Patriota, conduto como acontece com quem está ano após ano governando ou apoiando governantes. Didi da Felicidade, sabia apenas ser governo.
No seu quarto mandato consecutivo, o PSB (leia-se Patriota) já sente o peso. Isso certamente é fruto do desgaste natural por estar a frente politicamente, mas conta com elementos como autoritarismo, inabilidade de lidar com o contrário (não estava acostumado a ter pessoas pensando diferente) e por último, pelo menos até o momento, por fazer uma gestão muito distante das duas primeiras entre 2004 e 2012, quando o País e o Estado andavam bem economicamente, e quando o governo de Anchieta contava com a mão generosa do ex-governador Eduardo Campos. E eu ainda ouso colocar nessa balaio a maneira como tratou um antigo aliado, José Mário, não dando a este o direito de tentar a reeleição. Guardando as proporções mais uma vez, este caso assemelha-se ao de João Paulo e João da Costa, ambos do PT, em Recife.

Volto a parabenizar os vereadores Neudo da Itã, Anchieta Crente, Preguinho e Gleybson Martins por fazerem uma oposição atenta e equilibrada, isso no meu modo de ver até ajuda o governo a consertar aquilo que estiver errado na gestão. Avalio que esse quarteto, pela postura adotada, pode representar o nascimento de uma oposição de verdade, agora dizer onde isso vai dar e que força politicamente, eleitoralmente eles representam, só o tempo dirá, afinal o tempo é mesmo o senhor da razão.

Maciel Rodrigues

Jornalista SRTE-PE 5598
Radialista DRT 2671

Comentários

Obrigado!
Sua mensagem será avaliada.

Anterior Proxima Página inicial