A CADA HORA NASCE UMA CRIANÇA COM PARALISIA CEREBRAL NO MUNDO

Considerada a doença física mais comum na infância, uma em cada três crianças é incapaz de andar 
A paralisia cerebral infantil é uma patologia crônica e sem cura, que precisa de muita atenção e conscientização para amparar os portadores e seus familiares. De acordo com pesquisa divulgada em setembro de 2017 pela Cerebral Palsy Foundation (CPF), a doença acomete cerca de 17 milhões de pessoas no mundo.
Podendo ser descoberta no nascimento ou durante a infância, a paralisia cerebral apresenta sintomas, como: falta de coordenação muscular, tremores ou movimentos involuntários, dificuldade para caminhar, atrasos no desenvolvimento da fala, dificuldade com movimentos básicos, como segurar um lápis ou uma colher, deficiência intelectual, problemas de visão e audição. Dados divulgados pela Cerebral Palsy Foundation (CPF) mostram que:
1 em cada 3 crianças não anda;
1 em cada 4 não fala, tem epilepsia, comportamento em desordem e incontinência urinária;
3 em cada 4 apresentam dores;
1 em cada 10 tem a visão prejudicada;
1 em cada 5 tem o sono prejudicado.
“É importante que os pais fiquem atentos aos sinais conforme o bebê amadurece. Se houver demora em aprender a andar, desenvolver habilidades motoras e coordenação é preciso procurar um especialista. Através do exame de sangue e ressonância magnética é possível verificar alterações no cérebro e se há algum distúrbio”, afirma Dra. Valeria Muoio, neurocirurgiã pediátrica.
Apesar de não ter cura, existem tratamentos que auxiliam para que as crianças possam evoluir e alcançar seu nível máximo de capacidade. “O quadro pode ser tratado através de terapias, como fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, terapia recreativa e em casos mais graves é preciso de neurocirurgia para relaxar o músculo e reduzir as dores”, explica a especialista.

Comentários

Obrigado!
Sua mensagem será avaliada.

Anterior Proxima Página inicial