• title
  • Title
  • Title

Na lista da Odebrecht tem paraibanos e pernambucanos sim senhor

Entre os  políticos que integram a lista da Odebrecht e que poderão ser alvos da delação premiada do proprietário da empresa, Marcelo Odebrecht, junto a Justiça, estão, conforme relação disponiblizada para a imprensa e publicada em março do corrente ano, os paraibanos Cássio Cunha Lima, Cicero Lucena, Romero Rodrigues e Aguinaldo Ribeiro  estão inclusos.
Eles fazem companhia a gente famosa como Aécio Neves, Anthony Garotinho, os Sarney, Jader Barbalho, Jarbas Vasconcelos (tratado carinhosamente por Viagra) e outros, muitos outros, incontáveis outros.
 São nomes que serão expostos à execração pública, acusados, em tese e ainda sem provas concretas, de usar o mandato para receber tôco, propina, gorjetas gordas e cascalho.
Pelo menos 16 políticos pernambucanos, entre candidatos nas eleições de 2012 e presidentes de partidos, aparecem nas várias planilhas da Odebrecht com seus nomes associados a valores que somam mais de R$ 6,3 milhões. O principal beneficiário teria sido o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), para quem a Odebrecht teria destinado R$ 3 milhões em seis repasses entre os dias 31 de julho e 04 de outubro.
A lista de pernambucanos citados abrange políticos de sete partidos. Do ex-governador Eduardo Campos ao ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro Neto, e o prefeiturável tucano Daniel Coelho. Muitos receberam “codinomes” da Odebrecht. Geraldo Julio é chamado de “Neto”; o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), de “Charada”; e Ettore Labanca (PSB), ex-prefeito de São Lourenço da Mata, cidade onde foi construída a Arena Pernambuco, de “Cacique”.
Na mesma linha, os petistas Humberto Costa e Pedro Eugênio eram, na linguagem da empreiteira, respectivamente “Drácula” e “Droeu”. Candidato a vereador, Jarbas Vasconcelos Filho (PMDB) é chamado de “Viagra”. O hoje deputado federal Raul Jungmann (PPS), era visto como “Bruto”.
As prestações de contas de Elias Gomes (PSDB), Mendonça Filho (DEM), Jarbas Filho e Betinho Gomes (PSDB) mostram que as campanhas dos quatro receberam doações de órgãos partidários para os quais empresas do Grupo Odebrecht haviam doado. A Direção Nacional do PSB, que fez repasses à campanha de Geraldo, chegou a receber R$ 1,6 milhão da empreiteira, valor que não bate com o citado nas planilhas.
As campanhas de Jungmann, Labanca, e do prefeito de Bezerros, Severino Branquinho (PSB), receberam valores iguais aos apresentados nas planilhas, nas mesmas datas, da empresa Praiamar Indústria, Comércio e Distribuição, que também aparece nas planilhas da Odebrecht. O JC procurou a empresa em um telefone de Araçatuba, em São Paulo, mas foi informado de que ela não funcionava mais naquele endereço.

Comentários

Obrigado!
Sua mensagem será avaliada.

Anterior Proxima Página inicial

Blog da Câmara de Vereadores de Carnaiba